quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

SONHO LÚCIDO

A complexidade da verdade promove perigo para a vida de muitos cidadãos que logo desejam déspotas para criarem cinemas fantásticos que organizem os desdobramentos do pensamento e suas linguagens. Sendo assim, percebo o lado “bom” da psicanálise e seu cinema platônico promovendo a “paz”, um “soma” organizador das nossas ideias transformando nossas vidas num sonho lúcido...

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

O HOMEM QUE VOA

O Vôo - O bico da ave / Da ave que voa / É a proa da nave / Da nave que voa / As vigias da nave / Da nave que voa / São os olhos da ave / Da ave que voa / O coração da ave / Da ave que voa / É o motor da nave / Da nave que voa / As asas da nave / Da nave que voa / São as asas da ave / Da ave que voa / A alma da ave / Da ave que voa / É a alma do homem / Do homem que voa - Secos & Molhados

CONTATO IMEDIATO


terça-feira, 22 de janeiro de 2013

PROMETHEUS DESACORRENTADO


O mundo foi dividido em dois no começo do século XX. Dividido para conquistar... A mais valia do homem como máquina de produção é um conhecimento privilegiado dos Judeus e sua cabala. São três os pilares judaicos que sustentam a guerra no ocidente: Marx e a confusão de fronteiras entre homens e máquinas disfarçadas de luta de classes; Freud e o novo platonismo edipiano colocando o conflito entre pai e filho no topo do poder e Einstein com sua teoria da relatividade corrompida em energia nuclear como forma de controle social, levando nossa individualidade ao extremo uma vez que tudo se tornou “relativo”.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

CINEMA NOVO

Cinema Esquizoanalítico / Para Além da Ideologia



A "ideologia" matou Glauber. Ela atrapalhou seu processo esquizofrênico de atravessar a parede da caverna platônica. Seu primeiro filme, Deus e o Diabo na Terra do Sol, é cortante, esquizofrênico... Uma produção de máquina desejante questionando a metafísica do bem e do mal no sertão nordestino. Logo depois a problemática da “ideologia” arrastando todo mundo de volta ao platonismo – o mundo dividido entre duas ideias. Nietzsche é uma coisa difícil de decifrar: como viver fora da caverna e sobreviver à natureza humana?

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

SINCRONICIDADE


O tempo não é linear. Então não existe reencarnação no sentido individual da existência como se fossemos uma ilha e cada um está passando por mais uma provação... Ou seja, a reencarnação é uma forma de colocar linearidade onde não existe. Limitar nossa percepção das simultaneidades dos acontecimentos em nossas vidas. Existem universos paralelos que se cruzam formando um grande caleidoscópio das nossas facetas divididas entre o bem e mal. É tudo ao mesmo tempo agora num jogo de espelhos infinito. A esquizofrenia como nossa natureza aperfeiçoada nos reflexos de si mesmo nos outros numa conexão transcendental entre os seres. A questão é a escolha entre essas duas forças: bem e mal. É nesse sentido que essas duas forças são relativas entre si uma vez que estão em constante equilíbrio. O caminho é o do meio. Somos Anjos e Demônios criadores das nossas próprias histórias. Criemos nossos mapas para não ficarmos presos nos mesmos erros.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

LABORATÓRIO


QUANDO O EGO BATE A SUA PORTA

Surfando em Coletivos

Alguém já havia levantado essa questão da metafísica dizendo que Nietzsche rompeu com ela, coisa e tal, mas eu nunca tinha me atado a essa questão até alguém colocá-la por aqui. Como estou estudando “platonismo” pude agora me debruçar sobre esse conceito com propriedade.
Estou aqui como um pensador que tem a troca de conhecimentos como ferramenta para aprimorar suas ideias e fazer valer sua passagem nessa vida, objetivando seus propósitos. Não se trata de uma questão pessoal, como já disse antes. O platonismo é uma causa nossa levantada por Nietzsche e seguida pelos seus companheiros.
Conhecer esse conceito é fundamental para nos locomover no mar de lamas da publicidade e suas linguagens subliminares. Saber efetuar cortes precisos no pensamento e editar suas imagens é algo que não nos ensinam nas escolas e faculdades. Metafísica e Dialética são conceitos que nenhum acadêmico sabe dizer com precisão, caso soubessem não seriam acadêmicos e o mundo não estaria da forma que está. Ser acadêmico é ser platônico.
Qual o problema em afirmar o “desejo” e a “sedução”? Todo conceito tem suas proposições, a questão é saber usá-las a seu favor, mas é preciso apropriar-se delas sendo categórico. Minhas próprias perguntas já foram respondidas, mas é preciso usar uma lupa para que detalhes não passem despercebidos encontrando as respostas.
Esperam de mim contradições e acham que quero descansar cansando os outros? Sou um errante, mas não permaneço neles, encontro ás saídas. Seguir o “coelho branco” cansa, mas não sou eu que estou obrigando alguém a seguir alguma coisa. Morrer/viver sozinho é digno de coragem.
A verdade é uma busca particular ou alguém acha que o “coelho branco” sou eu? Pois não me canso de segui-lo e pouco me importa descansar o cansar alguém. Está cansado do meu jogo? Ignora-me! Pois não me canso de brincar esse jogo dialético que é a construção do conhecimento. Essa é a minha satisfação.
Analisando o restante das colocações percebo que já não me dizem mais respeito. Conter-se, referências, dúvidas, embrutecimento, não sentir, responsável, culpa, crime...  São coisas de quem despreza o próprio corpo.
Temos apenas que saber quem são os nossos inimigos, não se tratando de culpar ou responsabilizar alguém, mas visualizar o alvo cujo filósofo é a seta. Não sou uma ilha e minha concepção de troca não passa pela competição. Eu sigo o coelho branco!

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

CIBERNISMO (ano zero)


- JUDAISMO (ano zero)
- PLATONISMO (347 a.C.)
- CRISTIANISMO (ano zero)
- FREUDISMO (1900)
- LACANISMO (1950)
- CIBERNISMO (ano zero)