terça-feira, 31 de março de 2015

MAPA_MENTAL_DE_CRIAÇÃO_DO_"CORPO_SEM_ÓRGÃOS"

Ano-Zero: Rostidade. É preciso fazer as relações, traçar os mapas. Vamos partir do conceito de “fractal” ou “dobra” investigado pelo Deleuze. Descobrimos então que a realidade é constituída de pedaços geométricos que numa determinada dimensão tornam-se objetos reais, se materializam. Podemos relacionar então os tais “pedaços geométricos” como se fossem cristais a refletir a realidade como um grande espelho. Dai a importância do outro como reflexo e constituição do desejo, constituição da realidade onde tudo é desejo, tudo é amor. Por isso o “delírio” dos povos e das raças como sanidade e não loucura.

Pois bem, a nossa constituição metafísica ira se realizar a partir dos “recortes” que daremos nos primeiros objetos que nos tocam. Esse primeiro objeto é a mãe que ira implantar um “rosto” no seu bebê a partir do seu próprio. Daí em diante o bebê ira fazer “recortes” daquilo que ver, ouve e sente no corpo. Os “recortes” seriam então “impressões cerebrais” do ambiente que nos cerca. Seu desenvolvimento estaria na troca de informação dessas “impressões” como “peças” que compõem a “teia” do caráter cujo “encaixes aleatórios” caracterizará a “diferença”. Ninguém é igual a ninguém, mas o processo de desenvolvimento do caráter é igual pra todo mundo, ele é “esquizo”! Vemos os esquizofrênicos enfermos pirarem na construção dos seus mapas, das suas cartografias, tentando decifrar o desejo e fracassarem. A enfermidade esquizofrênica se daria justamente no fracasso de dá sentido a realidade múltipla e infinita dentro de um indivíduo, um sujeito - - Uno/Todo.

segunda-feira, 30 de março de 2015

OS_OBJETOS_TEM_DESEJO?


Penso "os corpos poéticos ou os Duplos do Corpo" justamente o reflexo dos "objetos parciais" que constituem nosso corpo como potencia, o "corpo sem órgãos". Pra quem se percebeu "Frankenstein" será preciso dá um sentido a essa potencia monstruosa numa "linha de fuga" dessa percepção, construir um "ritornelo" apaziguador da potencia ou um "devir-inseto" pondo ordem no caos, caso queira preservar a sanidade mental. Estaria aí nessa percepção todas as causas psicopatológicas sociais? Vejam como os conceitos da "esquizoanálise" começam a fazer sentido a partir dos "objetos parciais" e seus "recortes" constituintes do "corpo sem órgãos" ou "Frankenstein" como composição natural do nosso caráter.

domingo, 29 de março de 2015

ENTER_THE_MATRIX

É preciso pensar édipo como algo metapsicológico, que está impregnando na estrutura do capitalismo e suas bases institucionais.... Principalmente na educação. É algo religioso que “castra” e normatiza os sujeitos que buscam a profissão de educador, tornam-se “padres” inquestionáveis..... Uma verdadeira lavagem cerebral o xadrez académico com suas hierarquias a destruir as potencias do desejo. Édipo tornou-se a nova inquisição, só que desta vez no campo do mental – Enter The Matrix! Por isso a importância desse livro escrito por DELEUZE-GUATTARI como cartografia para escapar da “máquina de captura” do Estado – as sentinelas. O “up grade” dado por Lacan à psicanálise tornou possível a criação de um “lacanismo” global, aquele onde o inconsciente é estruturado tal qual a linguagem das imagens de TV.

sexta-feira, 27 de março de 2015

ATRAVESSANDO_ESPELHOS

A realidade é um jogo de espelhos onde o "observador" é o "observado". Para existirmos temos que ser refletidos. Esse reflexo se dá através dos "objetos parciais" que irão constituir nosso caráter: os olhos da mãe, o braço do pai, a almofada do sofá, a boca da professora do ABC, etc.... Ou seja, os "objetos parciais" como "meio" de existir na conquista dos espaços internos e externos, assim acima com abaixo. Somos "bricolage" cujos "olhos" são "raios" a recortar os objetos refletidos no imenso espelho chamado realidade. São tantos objetos recortados que muitos ficam guardados no inconsciente a espera de uma varredura que o atualize ampliando a percepção da realidade através da visão. Tudo é cognitivo nessa ilusão mental cujos recortes constituem nossos corpos: o Frankenstein. Essa é a importância do outro na nossa vida.

quinta-feira, 26 de março de 2015

quarta-feira, 25 de março de 2015

sábado, 21 de março de 2015

ZEN_SURFISMO

Comparo o surf a uma arte zen budista. Quando estamos em cima de uma prancha, sobre as águas, deslizando nas ondas, toda a dualidade terrestre do mundo dos homens desaparece. 

Entramos em comunhão com a natureza e somos abençoados com uma sensação de unidade com Deus, com o cosmo. 

Essa é a filosofia do surf. Muitos nem sabe o que estão buscando, uns querem apenas surfar, outros competir, mas todos sentem algo transcendental nessa prática meditativa.

Filmes sobre surf tentam nos passar essa filosofia como é caso de “Caçadores de Emoção” (Point Break), com Keanu Reeves e Patrick Swayze, onde um policial persegue um ladrão surfista que está em busca dessa transcendência e acredita encontrá-la surfando a maior onda da sua vida, cujo policial fica obcecado por essa figura do surfista em busca do mistério da existência humana.

Outro filme bacana que assisti recentemente e trata do mesmo tema é “Profissão Surfista” (Surfer, Dude), com Matthew McConaughey, onde ele é pago simplesmente para surfar, mas ai entra a preocupação de grana e ele é levado a participar de um “reality show” que envolve um “game” e “realidade virtual” como propagação do surf fora d’água para qualquer pessoa experimentar….. Isso tudo para ele poder sobreviver, porém ele se recusa a participar em função apenas de sentir as ondas na realidade e transcender a matéria.

Enfim, o que quero dizer é que existe uma espiritualidade no surf que está além das dualidades terrestres e suas competições por espaço social, patrocínio, propagandas e fama. Exatamente o que Rob Machado foi buscar depois das competições e Slater recentemente que rompeu com a grande Quicksilver e corre os campeonatos por pura diversão sem patrocínio no bico, será que o “careca” está tentando nos dizer alguma coisa?

Todos sabemos da sorte que é ser pago apenas para ser “free surf” e sair das pressões competitivas do mundo terrestre e suas confusões dualistas entre: “bem e mal”, “feminino e masculino”, “certo e errado”, “raspar ou não raspar o suvaco”, etc… Surf é isso: está além das dualidades terrestres e conflitos sociais em relação ao que você tem que ser ou deixar de ser para conseguir ser aceito pelas pessoas que fazem a sociedade.

Temos uma “Liga Mundial de Surf” que é super bacana de ver os melhores surfistas do mundo dando o melhor de si para promover um espetáculo e evolução do esporte para o mundo, mas o surf não pode ser definido pelas competições e seus organizadores.


Foi essa atitude que vimos Bob Martinez fazer em função da alma do surfista, enfrentando a organização mundial de surf profissional (ASP) na tentativa de nos mostrar que o surf não pode ser definido pelas competições, que o surf é algo transcendente e as competições são apenas jogos, diversão, e não a sua vida, sua vida é o surf e não as competições, dinheiro e fama.

quarta-feira, 18 de março de 2015

terça-feira, 17 de março de 2015

quarta-feira, 11 de março de 2015

SULIVAN

QUANDO SULIVAN OLHOU PARA SUA COSTELA DIREITA HAVIA UMA MAÇÃ ENCALHADA ENTRE SEUS MÚSCULOS E OSSOS PERCEBEU QUE NÃO HAVIA MAIS PULMÕES LOGO NÃO MAIS RESPIRAVA MAS CONTINUAVA VIVO. QUESTIONANDO TAL ABSURDO PASSA POR CIMA DE QUALQUER CONCEITO CIENTÍFICO PARA SE DEPARAR COM SUA NOVA APARÊNCIA INUMANA..........
A IDEIA É PARAR DE BRIGAR QUESTIONAR POIS A SOCIEDADE É ISSO MESMO UMA MAÇÃ PODRE DEIXAR QUEM QUISER ACREDITAR EM MENTIRAS COMO REALIDADE QUE CONFORTA O IMPORTANTE É TER CUIDADO PARA NÃO SE PERDER NESSA EMPREITADA E ACABAR MESMO DENTRO DE UMA LATA DE SARDINHA EXITEM LUGARES MARAVILHOSOS NO MUNDO ONDE AS PESSOAS SE AMAM E NÃO PRECISAM VIVER DO MEDO MAS PARA SULIVAN ISSO JÁ NÃO FAZIA MAIS SENTIDO ELE HAVIA SE METAMORFOSEADO EM UMA ABERRAÇÃO INDUSTRIAL TAL COMO UMA PROPAGANDA DE TELEVISÃO QUANDO TENTAM VENDER MERDA EM FORMA DE SORVETE......
AGORA QUE ELE NÃO MAIS RESPIRAVA ELE IRIA USAR SEU PODER PARA DESCOBRIR O QUE REALMENTE ACONTECEU COM ELE UMA VEZ QUE SUA VIDA HAVIA SIDO APAGADA DE SUA MEMÓRIA A CAMINHO DA ESCOLA PERCEBE DE IMEDIATO TODAS AQUELAS PESSOAS HUMANAS A RESPIRAREM COMO SE TIVESSEM UM REI NA BARRIGA.........

PERCEBEU QUE SEM PULMÕES SEUS MEDOS HAVIAM DESAPARECIDO E A CADA PASSO EM DIREÇÃO AS NORMAS DO SABER SENTIA-SE CONFIANTE COMO NUNCA NA VIDA E AQUILO FOI DANDO-LHE UMA APETITE BRUTAL QUE CHEGOU A PENSAR EM COMER SEUS PROFESSORES VIVOS NUMA SÓ BOCANHADA TAMANHA FORÇA DE DIGESTÃO QUE SE ENCONTRAVA SEU ESTOMAGO AGORA COMPLETAMENTE ATIVO.........

segunda-feira, 2 de março de 2015

JARDIM URGENTE

A Psicanálise é um "abuso sexual infantil". Basta olhar pra ver que sua teoria se funda na infância com os "Três Ensaios Sobre a Sexualidade". Claro, ela nasce na Instituição Psiquiátrica onde os loucos não param de sofrer de infantilismo. Ou seja, subjugação parental carregada de medo e superstições a respeito da sexualidade (infantil) caracterizando os pais como "lugares e funções primeiras, independente dos meios" fechando o adulto numa caixa fazendo eclodir a histeria, e todas as formas de loucura. Até aí tudo bem, o problema foi generalizar isso para toda sociedade. Problema mesmo para seus cidadãos porque para os donos do poder foi a solução para controlar o advento das massas. Quando olhamos para o mundo vemos abusos por todos os lados. Quando se fecha uma cultura dentro de uma caixa a tendência é que ela exploda como forma de liberar energia, liberar MASSA. Então não foi difícil prever que a Metapsicologia iria causar as guerras mundiais e propagar o "abuso" por todo o mundo como uma "peste emocional" a contaminar todos os continentes através da informação com a atualização Lacaniana da Metapsicologia Psicanalítica cujo controle se faz através das imagens das antenas de TV. Vai vendo os noticiários pra ver como o mundo está infantil, cheio de "superbrinquedos" provocando a Inveja e a Ira pelos quatro cantos do mundo. E não seria as religiões um infantilismo? Já disse Freud a respeito delas, mas sobre a sua Santa Psicanálise ficou calado, esperto! Vemos Juiz (dono da lei) investigar operações ilegais na bolsa só para poder usar os "superbrinquedos" dos outros – Psicanálise & Direito. Não basta ter o "superbrinquedo" tem que ter o do Outro porque é sexualmente mais prazeroso. Percebemos então que todo abuso tem um cunho sexual e de repente estamos vivendo à Babilônia, onde todo mundo tira um pedaço de todo mundo pelo simples prazer sexual da violência, do abuso generalizado através da Metapsicologia Psicanalítica Inconsciente propagada pelas antenas de TV. Mas é no meio disso tudo que a mesa do jogo pode virar e a revolução começa. Já estamos vendo-a, é lenta, mas já está ai na percepção de não mais precisarmos "abusar a natureza" para adquirimos energia para abastecer as massas. Viva a revolução da VISÃO, do modo de enxergar o Observador como sendo o Observado.